Endometriose e depressão: qual a relação entre elas?

As consequências da endometriose podem ser devastadoras para uma mulher: muito além de afetar o corpo, esta é uma doença que, quando não acompanhada adequadamente, pode afetar também o psicológico.

E essa relação entre corpo e mente não deve ser menosprezada. Afinal de contas, sempre que um aspecto de nossa vida não vai bem, é natural que todo ser humano se sinta apreensivo, angustiado e inseguro.

No post de hoje, você vai entender como a endometriose pode levar a depressão, agravando ainda mais o quadro clínico. Entenda como a informação e o apoio das pessoas mais próximas são fundamentais para que isso não aconteça.

O que é depressão?

A depressão é uma doença que atinge homens e mulheres, levando-os a uma tristeza crônica, acompanhada por um sentimento de culpa e baixa autoestima, que faz com que o indivíduo depressivo perca o interesse por atividades que antes eram um motivo de satisfação.

É importante não confundir a depressão com a tristeza provocada por acontecimentos desagradáveis, como a morte de alguém muito querido, a perda de um emprego ou um acidente. Em ocasiões como esta, todo ser humano tende a se sentir naturalmente mais fragilizado.

Na direção contrária, a apatia se manifesta nos depressivos de forma contínua, por dias e dias, ainda que não haja nenhum motivo aparente. Outros sintomas são alterações drásticas de peso, dificuldades para dormir e, em alguns casos, pensamento suicida.

Como a endometriose pode levar a depressão?

A endometriose pode levar a depressão, quando não acompanhada adequadamente. Isso porque, além de serem obrigadas a conviver com a dor continuamente, o que compromete seu desempenho no trabalho, na escola ou mesmo durante o ato sexual.

Este é um momento onde pessoas leigas podem, ainda que involuntariamente, fragilizar ainda mais a paciente, ao subestimar a importância de suas queixas, o que faz com que elas tomem para si uma culpa que, na verdade, não possuem.

Outro agravante é a cobrança contínua por filhos. Como muitas só descobrem a endometriose quando a doença está em grau avançado, o risco da infertilidade se transforma em um pesadelo real.

Como agir diante da suspeita de depressão?

A primeira medida neste caso é a mulher se deixar ser ajudada, reconhecendo a necessidade de buscar uma orientação especializada. Neste caso, ginecologista e psiquiatra devem trabalhar juntos com o intuito de resgatar a autoestima, e, consequentemente, a qualidade de vida da paciente.

Enquanto o primeiro vai tratar da endometriose, determinando as técnicas mais adequadas para reduzir o incômodo provocado pelos focos da doença, o segundo vai prescrever os medicamentos e atividades para amenizar os sintomas da depressão.

Outra estratégia que pode contribuir para a reversão deste quadro é a informação. A paciente deve buscar conhecer melhor as características da endometriose, para entender os riscos a que está exposta e também as possibilidades de tratamento.

É importante ter em mente, por exemplo, que a endometriose não tem cura, mas, se diagnosticada precocemente, é possível prevenir a ocorrência de sequelas, como a incapacidade de ter filhos.

Entendeu por que a endometriose pode levar a depressão? Se tiver mais alguma dúvida sobre o tema ou mesmo conhece uma mulher que passa por essa situação, deixe o seu depoimento nos comentários. Terei um grande prazer em ajudá-las!

Desde a vida acadêmica, acompanhando Dr. Antonio Travessa – referência em Cirurgia ginecológica – Dr. Marcos Travessa desenvolveu especial interesse pelo Tratamento cirúrgico avançado de patologias ginecológicas. Sempre buscando o aperfeiçoamento da técnica cirúrgica, após sua formação ginecológica, especializou-se em cirurgia geral, momento que teve contato com a cirurgia videolaparoscópica. A partir desse instante, dedicou-se a especializar-se, dia a dia, no tratamento cirúrgico pela via videolaparoscópica, no intuito de e atenuar o sofrimento de mulheres portadoras de endometriose severa, mioma, adenomiose dentre outras doenças, utilizando tecnologia avançada na cirurgia.

Deixe seu comentário