Marque a sua Consulta

22/06/2018

Endometriose pode se tornar um câncer de endométrio?

Uma vez que tenham sido diagnosticadas com endometriose, é normal que as pacientes busquem informações sobre o seu estado de saúde. Antes da consulta com o especialista, a tendência é que a mulher fique bastante apreensiva ou ansiosa.

Em meio as questões que podem surgir, uma das perguntas mais frequentes ouvidas pelos médicos é se a endometriose pode se tornar um câncer de endométrio. Esta também é a sua dúvida? Neste post, nós trazemos a resposta! Continue a leitura!

A endometriose está, de fato, associada ao câncer?

Embora o desenvolvimento de ambas as doenças aconteça de maneira semelhante, não há nenhuma evidência que as mulheres portadoras de endometriose estão mais sujeitas ao desenvolvimento do câncer de endométrio.

Essa associação costuma acontecer porque, tanto na endometriose quanto no câncer, há a multiplicação de células na parte externa do útero. Por outro lado, tumores podem surgir mesmo em mulheres que nunca apresentaram endometriose.

Da mesma maneira, também é válido salientar que portadoras de endometriose não fazem parte do grupo de risco para o câncer de endométrio. Cada uma dessas patologias tem suas particularidades, como explicaremos logo a seguir.

Quais as diferenças entre endometriose e câncer de endométrio?

Via de regra, o câncer de endométrio é mais comum em mulheres acima dos 60 anos, que já estão, portanto, no período da menopausa. A principal manifestação dessa patologia é um crescimento desordenado de células dentro do útero.

Felizmente, essa é uma patologia com altos índices de diagnóstico precoce, em virtude de sua sintomatologia: um dos principais sinais de alerta é o sangramento vaginal anormal, em mulheres que já deixaram de menstruar regularmente.

Na contramão, a endometriose é mais comum em pacientes em idade reprodutiva, podendo, inclusive, afetar a capacidade fértil quando não tratada corretamente. A manifestação caracteriza-se pela presença de fragmentos do tecido endometrial fora do útero.

Além dos órgãos que compõem a região pélvica, a endometriose também pode acometer outras regiões do corpo, como o intestino, a bexiga, o pulmão e até mesmo o nervo ciático.

O que fazer mediante a suspeita de endometriose?

Apesar do risco de desenvolvimento de câncer estar praticamente descartado, nenhuma mulher deve ser negligente com relação aos cuidados com a própria saúde. Afinal de contas, se não tratada corretamente, a endometriose pode provocar uma série de complicações.

Reconhece-se, porém, que um dos principais obstáculos é o diagnóstico tardio, como revelam as estatísticas: a ausência de sintomas específicos faz com que, em média, o intervalo entre a primeira consulta e a confirmação da doença seja de sete anos e meio.

Se a presença dos focos já foi diagnosticada, siga rigorosamente as instruções fornecidas pelo seu médico. Para amenizar as dores provocadas pela endometriose, sessões de fisioterapia e uma dieta especial podem fazer toda a diferença, além do apoio de familiares.

Agora que você já entendeu que são raras as chances da endometriose se tornar um câncer de endométrio, assine a nossa newsletter para receber, em primeira mão, conteúdos relevantes como este.

Receba dicas para
cuidar da sua saúde