Marque a sua Consulta

24/08/2018

Quando vale a pena recorrer a uma segunda opinião médica?

Vale a pena recorrer a uma segunda opinião médica? Ao receberem o diagnóstico de que estão enfrentando um problema de saúde, é natural que pacientes, homens e mulheres, sejam acometidos por dúvidas, que, via de regra, se tornam proporcionais à complexidade do problema enfrentado.

E essa é uma situação frequente mesmo nos casos em que o acompanhamento com o profissional é realizado há bastante tempo. Por melhor que seja a relação com o médico, as pessoas em tratamento e seus familiares tendem a se sentir inseguros e, por causa disso, desejem buscar informações sobre o quadro clínico.

No post de hoje, entenda quais são os benefícios de recorrer a uma segunda opinião médica. Continue a leitura para entender em que casos você deve fazer isso.

Em que situações é válido recorrer a uma segunda opinião médica?

A resposta a essa pergunta não poderia ser mais simples: o paciente pode recorrer a uma segunda opinião médica todas as vezes em que julgar que um novo diagnóstico é necessário. Abandone qualquer receio em se indispor com seu médico.

Do ponto de vista legal, inclusive, não há qualquer restrição a essa conduta. A legislação que regulamenta o exercício da medicina entende que esse é um direito do paciente que pode ter outras motivações para buscar uma segunda opinião médica.

Além das dúvidas, essa é uma situação recorrente quando há mais de uma opção de tratamento. Neste caso, o médico deve informar sobre os riscos, benefícios e chances de sucesso em cada técnica. Antes de fazer essa escolha, porém, o paciente pode querer conhecer o ponto de vista de outro especialista.

Também acontece nos casos em que o tratamento não surte os efeitos desejados. Uma nova avaliação pode ser essencial para determinar a continuidade ou interrupção dessa intervenção. Por fim, esta também pode ser uma exigência das operadoras de planos de saúde.

Na ginecologia, existem exemplos da importância de uma segunda opinião médica?

Assim como em qualquer outra especialidade médica, mulheres com problemas ginecológicos também podem buscar uma segunda opinião antes de aceitar se submeter a determinado tratamento clínico ou cirúrgico.

Há relatos de pacientes com miomas uterinos, por exemplo, que se veem aflitas diante da possibilidade de retirada do útero. Nem mesmo o avanço da tecnologia é suficiente para diminuir a resistência de pacientes que desejam ser mães ou que tem “apego” ao órgão.

Mas, de fato, tamanha cautela é plenamente justificável. A literatura médica recomenda que a histerectomia seja realizada apenas em último caso, quando todas as outras possibilidades de tratamento tiverem se mostrado comprovadamente ineficazes.

Como agir ao pedir uma segunda opinião médica?

Reiterando o que afirmamos antes, pacientes têm direito de buscar uma segunda opinião médica. Entretanto, todos os envolvidos devem se comportar de acordo com alguns padrões éticos.

Nenhum dos dois médicos deve subestimar a intervenção do colega de profissão. O especialista de origem não deve usar sua influência para tentar fazer a paciente desistir da ideia, ao passo que o novo médico não deve assumir o tratamento sem que antes a paciente retorne ao primeiro, de posse de um laudo detalhado.

Se as duas avaliações forem coincidentes, o paciente deve optar pelo profissional que lhe transmitir mais confiança. Se, por um outro lado, houver um conflito entre a melhor estratégia a ser seguida, nada impede a busca por uma terceira opinião.

Entendeu a importância de buscar uma segunda opinião médica? O importante é não se descuidar da sua saúde. Entre em contato conosco para conhecer todos os serviços oferecidos pelo Centro de Endometriose da Bahia.

Receba dicas para
cuidar da sua saúde