Marque a sua Consulta

14/06/2019

Junho é o mês mundial de conscientização da infertilidade

Um tabu entre os casais, a infertilidade acomete cerca de 15% da população, de acordo com projeções da Organização Mundial da Saúde (OMS). Mediante a importância do tema, de junho é o mês mundial de conscientização da infertilidade.

Neste post, vamos explicar quais são os fatores que podem levar ao aparecimento da doença, bem como alguns mitos bastante comuns sobre esse quadro clínico.

Lembrem-se, no entanto, que apesar de relevantes, as orientações abaixo não substituem uma consulta com um especialista de sua confiança. Continue a leitura!

O que caracteriza a infertilidade?

Pela literatura médica, existe um quadro de infertilidade quando o casal pratica sexo há pelo menos um ano – sem o uso de preservativos ou anticoncepcionais – e, mesmo assim, as tentativas de engravidar são frustradas.

A crença de que a responsabilidade por essa situação é exclusivamente da mulher é bastante comum. Mas, na verdade, este é um equívoco: a dificuldade de engravidar também pode estar relacionada a um problema com a saúde do homem.

As projeções reforçam essa teoria. Estima-se que, em 35% dos casos a origem da infertilidade esteja relacionada a um problema no sistema reprodutor feminino, enquanto em outros 35% a causa está relacionada ao homem. Em 20% das situações, ambos os parceiros apresentam alguma anomalia. Nos 10% restantes, a causa da infertilidade é desconhecida.

Quais os fatores que podem levar a infertilidade?

Já que junho é o mês mundial de conscientização da infertilidade, vamos alertar aos leitores sobre os fatores que podem favorecer esse quadro. Pesquisas apontam que aproximadamente 10% das mulheres inférteis são portadoras de endometriose.

Como se sabe, essa doença se caracteriza pela presença de tecido endometrial em outras regiões do corpo. A ausência de sintomas específicos – algumas vezes a mulher sequer nota alguma alteração significativa que a faça suspeitar que algo está errado – é bastante comum que a confirmação do diagnóstico seja feita tardiamente

Em seu estágio mais avançado, são mais altas as chances dos focos de endometriose acometerem as trompas, que são responsáveis por transportar o óvulo até o útero. Além disso, a presença de focos de endometriose pode desencadear alterações hormonais e imunológicas, que dificultam a gestação.

Entre os homens, destaca-se o desenvolvimento de varizes no saco escrotal, em uma doença conhecida como varicocele, além de disfunções relacionadas a formação, transporte ou ejaculação dos espermatozoides. A obesidade também pode ser um fator de risco.

Como é o diagnóstico de infertilidade?

Em caso de tentativas frustradas de gravidez, o recomendável é que o casal compareça junto a uma consulta com o especialista. Embora esse assunto seja um tabu, homem e mulher precisam se unir para enfrentar o medo: não se preocupe, pois a equipe médica dará todo apoio e orientações necessárias a ambos.

À mulher, poderão ser prescritos vários exames, que permitem ao médico avaliar a qualidade do processo de avaliação e uma observação das trompas e do útero. Para o homem, o mais usual é a indicação de um espermograma.

Conforme os resultados, o profissional era expor as alternativas de tratamento, destacando-se, por exemplo, a Fertilização In Vitro (FIV), o congelamento de óvulos ou embriões e inseminação artificial, entre outras técnicas.

Aproveite que junho é o mês mundial de conscientização da infertilidade e não negligencie o seu sonho. Agende a sua consulta agora mesmo. Até a próxima!

Receba dicas para
cuidar da sua saúde